segunda-feira, 18 de Julho de 2011

Línguas Crioulas Hildo Honório do Couto

 

Línguas Crioulas
Hildo Honório do Couto
A melhor maneira de se entender o que vêm a ser línguas crioulas é reproduzindo o processo de sua formação. Observemos o caso das ilhas do arquipélago de Cabo Verde, situado entre o nordeste brasileiro e o noroeste africano. Os portugueses chegaram lá por volta de 1456, encontrando-o desabitado. Logo a seguir, começaram a levar escravos de diversas etnias e línguas da então chamada costa da Guiné, fazendo dessas ilhas mais tarde um entreposto para distribuição de escravos pelo mundo. O fato é que aí se constituiu uma comunidade heterogênea, composta, de um lado, de portugueses, e de outro, de escravos africanos falantes de mandinga, wolof, fula, manjaco, felupe, bijagó e muitas outras línguas.
Sabemos que quando indivíduos estão juntos em um mesmo espaço, geralmente interagem entre si. A interação mais comum é a lingüística. No caso, porém, não havia uma língua comum que permitisse essa interação. Mas, como sabemos, pessoas que se vêem juntas, comunicam-se umas com as outras. Se não têm uma língua para isso, inventam-na.
Como se pode imaginar, a comunicação entre indivíduos desses diversos povos deve ter sido muito difícil. Os colonizadores portugueses (assim como os ingleses, os franceses, os espanhóis e os holandeses) não se davam ao trabalho de aprender nenhuma das línguas dos escravos. Tampouco, ensinavam o português (ou qualquer outra língua) aos falantes dessas línguas. Mas, os escravos tinham que se esforçar para entender as ordens recebidas dos dominadores, inclusive por uma questão de sobrevivência. Com isso, algumas palavras do português, adaptadas à pronúncia da maioria das línguas dos escravos, começaram a ser compartilhadas (mim, querer, trazer, não, vem, etc.).
Nessa fase tratava-se de apenas algumas palavras compartilhadas, não havia ainda regras para se construírem frases. Tratava-se apenas do que em crioulística (ou estudos crioulos) se chama de jargão. De qualquer forma, já se tratava do germe de uma língua comum entre os diversos povos aloglotas (de línguas diferentes) que conviviam em um mesmo espaço. Como a convivência deles continuou (até hoje existe a comunidade caboverdiana), seria de se esperar que surgisse uma língua comum que permitisse a comunicação entre todos os seus membros.
Quando começam a surgir regras para construção de frases elementares, o jargão inicial evolui para o que se tem chamado de pidgin (pronuncia-se como se não houvesse o "g"). O pidgin tampouco é uma língua plena, porém já permite uma interação entre os diversos membros da nova comunidade, melhor do que a que se conseguia na fase do jargão. De qualquer forma, ele não é língua materna de ninguém. Os mandingas só o usavam quando se dirigiam aos portugueses ou a falantes de outras línguas africanas. Quando voltavam a seu grupo, falavam o mandinga. O mesmo faziam membros das outras etnias/línguas. Enfim, ninguém tem amor pelo pidgin. Assim que pode, livra-se dele.
No caso de Cabo Verde, infeliz ou felizmente, a convivência continuou. Começou a se cristalizar uma comunidade. E comunidade consta necessariamente de um grupo de indivíduos ou população (P) que convive em determinado território (T), unificado por uma língua (L). A cristalização de uma comunidade, leva necessariamente à emergência de uma língua plena, fato que constitui o que chamo de Ecologia Fundamental da Língua, ou seja, PTL.
E aí temos o momento crucial para a emergência de um crioulo. Na verdade, ele é um pidgin que passou a ser a língua principal de uma comunidade. Se o pidgin só servia para uma comunicação precária, o crioulo serve para todas as necessidades expressivas e comunicacionais de seus usuários.
Dadas as circunstâncias em que surge, o crioulo geralmente é mais "simples" (esse termo não é politicamente correto hoje, melhor seria dizer "mais não-marcado") do que a língua dominante, também chamada de língua lexificadora, ou de superstrato. As línguas dominadas geralmente são chamadas de línguas de substrato. O fato é que praticamente todo crioulo convive com a língua lexificadora, assim chamada por ser a que fornece a maior parte do léxico (freqüentemente acima de 90%). Por isso, todas as sociedades crioulas são um continuum de variedades lingüísticas que vão desde a variedade basiletal (ou basileto), que é a mais "pura", menos influenciada pela língua lexificadora, até uma variedade acroletal (ou acroleto), que é a mais próxima da língua lexificadora ou dominante. Entre as duas variedades, há uma série de variedades mesoletais (ou mesoletos).
Dadas as circunstâncias em que foram formadas, as línguas crioulas geralmente têm estruturas gramaticais menos marcadas, "mais simples" do que a língua superstrato e as línguas de substrato. Em primeiro lugar, não há nenhuma ou muito pouca morfologia flexional. Até mesmo a morfologia derivacioinal é menos pródiga do que a daquelas línguas. Por exemplo, o verbo normalmente não se flexiona em número-pessoa nem em tempo-modo, como em português. Vejamos alguns exemplos do crioulo português da Guiné-Bissau, tirados de Couto (1994, p. 108):
(1) i fuma 'ele fuma'
(2) i fuma ba 'ele fumara, tinha fumado'
(3) i ba fuma 'ele vai/foi/ia fumar'
(4) i ta fuma 'ele fuma' (no sentido de tem o hábito de fumar)
(5) i na fuma 'ele está fumando neste exato momento'.
O equivalente à conjugação verbal desse verbo em português seria assim:
(6)
(ami) N fuma '(eu) eu fumei'
(abo) bu fuma '(tu) tu fumaste'
(el) i fuma '(ele) ele fumou'
(anó) nó fuma '(nós) nós fumamos'
(abó) bó fuma '(vós) vós fumastes'
(elis) e fuma '(eles) eles fumaram'
A forma pronominal entre parênteses é tônica e facultativa. Só é usada para se dar ênfase, como faz o francês (moi, je vai au cinema 'quanto a mim, eu vou ao cinema). A outra forma é átona e obrigatória, pois é ela que indica nossas categorias de número-pessoa.
Como se viu, o radical verbal "fuma" não sofre nenhuma flexão. As idéias de tempo, modo e aspecto são indicadas pelas partículas que o acompanham, e geralmente vêm antes dele. A ordem das palavras geralmente é fixa, como no exemplo (7), mesmo quando sujeito e/ou objeto se pronominaliza(m) (8-9).
(7) mininu kume kaju 'o menino comeu o caju'
(8) el kume kaju 'ele comeu o caju'
(9) el kumel 'ele comeu-o'
Enfim, as línguas crioulas são interessantes não por serem "exóticas" ou "anormais", uma vez que são línguas naturais como as demais, mas devido ao processo de sua formação (surgirem do contato de línguas) e por terem a maior parte de suas características gramaticais não-marcadas. É bem verdade que uma ou outra característica não marcada ocorre em todas as línguas não-crioulas. O que diferencia ambas é o fato de nas línguas crioulas esses traços ocorrerem de forma concentrada. Poderíamos mesmo dizer que as comunidades falantes de línguas crioulas são verdadeiros laboratórios lingüísticos, nos quais as características mais importantes das línguas naturais podem ser examinadas quase como in vitro.
Para maiores informações sobre as línguas crioulas, pode-se consultar as obras mencionadas na bibliografia e nos diversos sites dedicados ao assunto.
Hildo Honório do Couto é linguista e professor da Universidade de Brasília (UnB).

http://www.comciencia.br/reportagens/linguagem/ling11.htm

__._,_.___

__,_._,___

Sem comentários:

Enviar um comentário